Importância das vespas nos medicamentos de uso humano

Desenvolvido pela University College London, um estudo, publicado na revista Biological Reviews, analisou mais de 500 artigos académicos sobre como as vespas contribuem para a preservação dos ecossistemas e para novos medicamentos de uso humano.

“Descobrimos que o ódio às vespas se deve em grande parte à ignorância generalizada sobre o seu papel nos ecossistemas e como elas podem ser benéficas para os humanos”, adiantou Seirian Sumner, investigador do Centro de Biodiversidade e Pesquisa Ambiental.

Considerando as vespas como os principais predadores de outros insetos, concluiu-se que estas poderão ser “valiosas para a agricultura”, nomeadamente no controlo de pragas.

Desta forma, as vespas, predadores do mundo dos insetos, podem ser usadas como um meio sustentável de controlo de pragas em países em desenvolvimento. Isto acontece maioritariamente em países tropicais, onde os agricultores podem recorrer uma espécie local com risco mínimo para o ambiente.

Neste sentido, o estudo indica que o biocontrolo de plantações, para reduzir danos provocados por insetos nas culturas, representa um custo anual de cerca de 416 mil milhões de dólares em todo o mundo. “As vespas desempenham um papel essencial em áreas como a proteção de culturas agrícolas e o desenvolvimento de medicamentos”.

Assim, como “As vespas são pouco estudadas em relação a outros insetos como as abelhas. Só agora estamos a começar a entender adequadamente o seu valor e a sua importância nos ecossistemas. Analisámos as provas que existem e descobrimos que as vespas podem ser tão valiosas quanto outros insetos amados como as abelhas”.

O estudo também analisou a função polinizadora destes insetos, considerada vital para a agricultura. Concluiu-se que, num universo de 960 espécies de plantas analisadas, 164 são dependentes das vespas para o processo de polinização.

Além disto, o estudo sublinha a importância das vespas nos medicamentos de uso humano, já que o seu veneno e saliva apresentam propriedades antibióticas. Por exemplo, o veneno de uma determinada espécie — a vespa de jaqueta amarela — tem mostrado ser promissor no tratamento do cancro”, exemplificam ainda os investigadores.